1924

Fundação do Gil Vicente com designação de Gil Vicente Foot-Ball Club. Um grupo de jovens reuniram-se no largo do Teatro Gil Vicente e resolvem criar um clube de futebol.

1933

Estreia no Campo da Granja (hoje Estádio Adelino Ribeiro Novo, em homenagem ao ex-atleta que faleceu após um choque com um adversário, em 1946) a 3 de maio de 1933.

1943

Subida à Segunda Divisão Nacional. No ano seguinte, o Gil Vicente deixa o campeonato regional e passa a disputar um campeonato a nível nacional, com início em janeiro.

1987

A Câmara Municipal de Barcelos doa o Estádio Adelino Ribeiro Novo ao Gil Vicente, em 8 de novembro. Nesse mesmo dia, o Gil Vicente inaugura a sua nova sede.

1989-90

Subida à Primeira Divisão, com o presidente Francisco Dias. Nesta época, o Gil Vicente foi espoliado de uma vitória no estádio do Maia, quando vencia por 2-0. Por falta de energia elétrica houve interrupção do jogo e em Janeiro de 1990 o Concelho Disciplinar da Federação Portuguesa de Futebol atribui a vitória ao Gil Vicente por 3-0 e multa o Maia (200 Contos). Posteriormente, esta decisão é anulada e é mandado jogar os 16 minutos em falta. A seguir, o Conselho de Justiça manda repetir o jogo na íntegra. Em caso análogo de interrupção por falha na energia elétrica, no jogo V. Setúbal – Belenenses, a vitória pertenceu ao Belenenses.

1996

Após sete anos de permanência na Primeira Divisão o Gil Vicente desce à Segunda Divisão de Honra. Na época seguinte, com Francisco Magalhães na presidência, o Gil Vicente só não voltou à Primeira Divisão por mais uma decisão administrativa, no “Caso Alverca”. O Alverca, clube satélite do Benfica e portanto impedido de subir de divisão, de acordo com a lei, numa manobra estratégica, desvincula-se do estatuto de clube satélite, ao ver que estava, na fase final do campeonato, no grupo dos pretendentes à subida.

1999

Regresso ao núcleo dos grandes. O Gil Vicente F.C . regressa ao lugar a que pertencia por direito próprio – a Primeira Divisão. Francisco Magalhães que tinha prometido devolver o clube ao lugar que havia perdido cumpre a promessa embora já não como Presidente da Direção, lugar ocupado por seu irmão João Magalhães, mas como Presidente da Assembleia-Geral.

2004

Fundação do Estádio Cidade de Barcelos. Em 30 de Maio é inaugurado o Estádio Cidade de Barcelos, onde a partir de 2004-05 o Gil Vicente Futebol Clube passa a realizar os seus jogos.

2006

Caso Mateus. O Gil Vicente F. C. permanece na prova maior do nosso futebol durante cinco anos e na época de 2005-06, depois de no campo ter conseguido a permanência no último jogo com o Belenenses, por decisão administrativa é relegado para a Divisão secundária. Se parece indiscutível estar perante uma situação insólita considerar a inscrição do jogador como um ato desportivo, não se afigura menos evidente que é um grave erro de justiça condenar o Gil Vicente com a pena de descida de divisão por o clube ter recorrido, na defesa da verdade desportiva, aos tribunais comuns.
Este caso ficou na história do Futebol Nacional como “Caso Mateus” e ainda aguarda decisão superior. No entanto, foi como uma lufada de ar fresco o Tribunal Administrativo já ter reconhecido que as inscrições dos jogadores são atos administrativos como sempre o Gil Vicente defendeu.

2011

Campeão! Na época 2010-11, sob a Direção de António Fiúza, o clube sagra-se campeão da Liga Orangina na última jornada, regressando, cinco anos depois à Primeira Liga.

2012

Final da Taça da Liga. Em 14 de maio, o Gil Vicente disputa a final da Taça da Liga, frente ao Benfica, no Estádio Cidade de Coimbra. Esta é a primeira final do Clube e ficará para sempre na história do Gil Vicente. O resultado, infelizmente, terminou na vitória do Benfica, por 2-1.