2ª Divisão de Honra 98-99

Guarda-Redes: João Pedro, Mihacic, Paulo Jorge
Defesas: Mesquita, Orlando, Wilson, Lemos, Bessa, Dinis, Sérgio Lomba
Médios: Sidónio, Rui Ferreira, João Matias, Jaiminho, Pedro Santos, Eduardo
Avançados: Ricardo Silva, Oliveira, Fernando Gomes, Masena Moke, Yakubu Ayegbeni, Casquilha, Almani Moreira, Pedro Caravana, Tavares, Febras, Guga

Equipa Técnica:
Treinador Álvaro Magalhães
Treinador Adjunto José Gomes
Preparador Físico Jorge Ramiro

Liga Orangina 10-11

Guarda-Redes: Flávio, Nuno Santos, Jorge Baptista, César Luz, Murta
Defesas: Rodrigo Galo, João Pedro, Sandro, Daniel Faria, Paulo Arantes, Pedro Araújo, Júlio César, Cláudio, Júnior Caiçara, Simão Coutinho
Médios: Filipe Fernandes, Carlitos, André Cunha, Alexandre Camargo, Luís Manuel, João Vilela, Richard
Avançados: Zé Luís, Tó Barbosa, Rody, Bruno Filipe, Luis Carlos, Hugo Vieira, Duarte Duarte, Rafael Ramazotti

Equipa Técnica:
Treinador Paulo Alves
Treinador Adjunto e Preparador Físico Ricardo Vaz
Treinador Guarda Redes Baptista
Técnico de Treino e Vídeo Pedro Pinto

 

REGISTOS HISTÓRICOS

Taça da Liga Final (2011/2012)
A chegada à final da Taça da Liga é o feito maior do Gil Vicente em épocas recentes. Com uma das melhores equipas de sempre, a equipa Gilista teve um trajeto triunfal até à final, que se realizou em Coimbra. Começou por eliminar o Belenenses, por 3-2, numa eliminatória disputada a duas mãos (f 2-1; c 2-0). Seguiu-se a fase de grupos da competição. O Gil Vicente esteve categórico ao vencer o primeiro jogo, diante o Moreirense, por 2-1, depois empatou fora com o Rio Ave a uma bola, culminando um trajeto vencedor com uma vitória repleta de inteligência e vontade, sobre o Sporting, por 0-1, em pleno Estádio de Alvalade. Seguiu-se a meia-final da competição. O Braga caiu de forma estrondosa em Barcelos, nas grandes penalidades, após um jogo épico da formação de Barcelos. O empate a dois golos, que proporcionou o triunfo pela decisão máxima, chegou apenas em cima do minuto 90, num remate de fora de área de Júnior Caiçara. Nos penáltis, o guardião brasileiro Adriano Facchini foi o herói, defendendo dois. Na final inédita, o Benfica acabou por vencer, por 2-1, e resgatar para si o título.

Taça de Portugal Meia-Final (1976-1977)
Desde da década de 70 que as sucessivas equipas do Gil Vicente não conseguiram bater o recorde da formação de 1976/1977, orientada por Frederico Passos. Uma equipa humilde, essencialmente de luta, conseguiu eliminar o Rio Ave na primeira ronda, por 2-0. Depois goleou o Nisa e Benfica, por 5-0, fazendo o mesmo com o Penafiel. 4-0, foi o resultado final. Seguiu-se uma deslocação aos Açores para enfrentar o Santa Clara, onde venceu, por 1-2, passando aos oitavos de final da prova. Em Bragança venceu a equipa local, por 0-1, e avançou para uma fase critica da prova. O Farense foi a equipa mais complicada que a formação de Barcelos enfrentara até aqui. No entanto, foi com clarividência, 2-0, que eliminou a equipa algarvia e passou para as meias-finais, onde encontrou o Braga. A primeira partida ditou o empate, 0-0, em terrenos bracarenses. No segundo jogo, também realizado em Braga, o Gil Vicente capitulou, por 4-1.

Primeira Liga 5º Lugar (1999/2000)
A melhor época de todos os tempos do Gil Vicente teve a liderança do treinador Álvaro Magalhães, à frente de um conjunto de jogadores que primavam pela sua entrega e capacidade constante de trabalho. Mais tarde reconhecidos, mas moldados em Barcelos, na época 99-2000, Petit, mais tarde médio influente do Benfica e campeão nacional pelo Boavista, foi figura de proa. Mas há mais nomes a reter, como o guarda-redes Paulo Lopes, o defesa-esquerdo Zé Nando, os médios Pedro Santos e Ricardo Nascimento, os avançados Casquilha, Fangueiro, Guga e Carlitos entre outros jogadores que brilharam com vitórias épocas, como o 2-1, frente ao Porto, ou o 5-1, diante do Marítimo.